GOSTOU DA PEQUENA AMOSTRA QUER COMPRAR

Pesquisar este blog

quinta-feira, junho 30, 2011

TRAIÇÃO NA MADRUGADA

Hoje nessa noite,
final de acoite ,
senti a lamina
do punhal me
crava as costas,
oh! que dor traiçoeira,
não me feriu de morte,
mas, dilacerou o meu
corpo por inteiro
A fenda que foi aberta,
não é vitima, nem vilã,
recebi de você uma rasteira,
que levou o pouco que restava.
A traição foi tão profunda
que me joguei ao mar,
e sinto me afogar,
pouco a pouco em
gotas constantes de
lagrimas que já não
tem mais de onde sair.
Grito aos cantos e não
encontro o chão,
perdida vago por
sobre o tempo,
busco acordar de tudo mais
só vejo a sua ingratidão.

Escrita em: 14/11/77 03:15